outubro 15, 2008

Por outro caminho...

Vou seguir, após o regresso do Egipto e do seu Deserto Branco que deram aos meus passos uma nova dimensão.

A partir de agora, em www.passoconsentido.blogs.sapo.pt.


outubro 01, 2008

O Egipto das Pirâmides

Foi à procura dele que vim.
Hoje encontrei-o.
30.09.2008

A serenidade da Esfinge

Para além de milenar, é imponente e maravilhosa.

setembro 17, 2008

Beleza Pura, ou não. A que preço?

Dado que a fase do tempo seco vai chegar a Macau, há mais de 10 anos que não fazia nenhuma limpeza de pele em local especializado, tenho variadíssimos produtos da melhor qualidade que qualquer dia viram fósseis (porque para a minha pele mista águinha, a humidade de Macau e um cremezito quando tenho paciência - ou remorsos - chegam perfeitamente, digo eu) resolvi portar-me como uma Senhora de 45 anos (que sou) e fazer uma série de tratamentos no Doctor Face.
Tomada a decisão, acertados os detalhes, feito o primeiro tratamento, apresento-me para o segundo.
A Shirley, manager por quem tenho especial simpatia porque adoptou uma cadelinha completamente rafeira da Anima, perguntou-me se queria fazer uma sessão anti-flacidez.
Que sim, por mim tudo bem, percebi que não teria de pagar mais, pois seria suprido o peeling químico; eis que me põem um creme na cara, toda tapada com plástico celofane, só com buraquinhos no nariz.
Agora aguenta meia-hora, porque esse creme tem um efeito anestesiante, uma vez que o tratamento é doloroso.
Mim portuguesa; Shirley chinesa; comunicação em inglês - tudo se esbate...
Primeiro efeito - beiços anestesiados; entre isto e o dentista prefiro o segundo: posso estar de boca e olhos abertos.
Acaba-se a meia-hora e lá vem a minha amiga Shirley com uma máquina enorme. Afinal era mais complexo do que eu tinha pensado (um ou dois cremes e estava feita a festa)...
Começa o filme de terror - porque me põe uma pasta gelada na cara (a mesma que é usada na depilação a laser)e a seguir começa a dar descargas que provocavam dores horrorosas não só na pele mas também nos ossos.
Que pesadelo. Esta técnica deve ter sido inventada numa câmara de tortura. Fui aguentando, por vergonha de gritar e arrepanhar os cabelos, mas quanto aquele suplício acabou disse-lhe logo que: NEVER AGAIN!
Prefiro ficar com a pele qual gelatina pendurada até ao joelhos.
A sério, prefiro ficar um chasso, um cavaco, a voltar a passar por aquilo.
Eu que vou p'ró dentista tão descontraída como vou comprar gelados Hageen-Daz...
E sinceramente não vejo resultados nenhuns que, segundo parece, deveriam ser gritantes.
E no fim de tudo fiquei com a minha auto-estima muito em baixo porque cheguei à conclusão que se tivesse pertencido aos Partisans, não sei quanto tempo teria aguentado...
Não sei, como sou teimosa e persistente talvez o amor à causa fosse mais forte do que a vontade de ficar "eternamente bela"...
Esta não é, de todo, uma das minhas prioridades.

E também esta casa, esta Mulher e até a Matilha Amestrada! Há um ror de anos!


agosto 28, 2008

O Mundo em que vivemos

Vai morrer cedo?!!!
O Homem vai à Lua há não sei quantos anos, manda sondas a tudo o que é sítio, qualquer dia instala-se em Marte, há dinheiro a rodos para campanhas eleitorais megalómanas, p'rós projectos mais estapafúrdios que imaginar se possa e não há bardamerda de político nenhum com querer e vontade para acabar com estas desgraças, que existem um pouco por todo o lado?

agosto 27, 2008

Companheiras na vida e no palco: Etra, a "cadela-actriz"

Pena que nem todas as pessoas consigam atingir o sentido e profundidade desta mensagem.
Mas quem o consegue é, de certeza, mais feliz.
Obrigada, São José Lapa!

Não resisto


A colocar aqui esta beleza, grande responsável pela minha decisão de me lançar à aventura egípcia daqui a 3 semanas.
Se a História e os Monumentos da terra por onde desliza o Nilo, há mais de duas décadas me vinham lançando o "canto das sereias" foi o saber que haveria uma excursão pelo Deserto Branco, no princípio de Outubro, que me fez dar o passo irreversível.
No regresso, passará a estar colocada acima uma photo tirada por mim.

agosto 26, 2008

Qualidade de vida ao lado do melhor amigo

Todos sabem que a prática de caminhadas contribui para a prevenção de doenças, auxilia no combate à obesidade, ajuda no controle da pressão arterial, diminui o estresse, auxilia no reforço muscular e ósseo, além de melhorar a auto-estima.
Poucos sabem, no entanto, que caminhar ao lado do cão pode ajudar um indivíduo a manter a saúde e a forma física. Uma pesquisa realizada pela University New South Wales, na Austrália, mostrou isso.
O estudo apontou que 41% dos proprietários de cães caminham 18% a mais do que os sem-cachorro. Naquele país, 40% da população têm cães, o que significa um total de 3,1 milhões de caninos, mostrou o levantamento.
"O simples fato de ter um cachorro, para muita gente, já representa uma melhora significativa no dia-a-dia. A troca de afeto e a convivência com o animal representam, muitas vezes, o ânimo que faltava para conduzir tarefas simples do cotidiano como sair de casa, conversar com vizinhos sobre assuntos amenos e fazer amigos. Os cães unem pessoas numa espécie de confraria", diz Fabio Ravaglia, médico ortopedista do Albert Einstein, Oswaldo Cruz e do Hospital Santa Catarina e titular da Academia de Medicina de São Paulo.
Ravaglia conduz em breve no Brasil uma pesquisa nos moldes daquela feita na Austrália. Ele observa que levar o cão para passear e caminhar, no entanto, são coisas completamente distintas.
Enquanto passear é sair com o animal alguns minutos para que faça suas necessidades, caminhar ao lado do animal, especialmente aqueles que vivem em apartamentos, ajuda no processo de socialização, combate à obesidade, osteoartrite, doenças cardiovasculares, doenças hepática e mesmo na resistência à insulina. No animal e no dono.
O empresário da área de paisagismo Fábio Colombo é prova de que caminhar com o cão representa ganho para a saúde, "física e mental", conforme diz ele. Atleta, deixou de fazer suas atividades físicas por causa de uma hérnia de disco que adquiriu.
"Quando achei que teria de parar de me exercitar, percebi que tinha no Bernardo [um labrador de 1 ano e meio] um aliado", conta. Todas as noites, ele caminha cerca de uma hora com o bicho.
A psiquiatra Gisela Mattos, dona do labrador Indiana, de 12 anos, diz que, além de ver nas caminhadas ao lado do animal sua única forma de fazer exercícios físicos, esta é uma oportunidade de interagir com os amigos que tem no bairro paulistano dos Jardins. " É unir o útil ao agradável", destaca.
Exames para ambos:
Antes de sair para as caminhadas, recomenda Fabio Ravaglia, é necessário que dono e animal passem por avaliações médicas - incluindo exames como eletrocardiograma e hemograma - com atenção especial para diabéticos e hipertensos.
"Os cães devem ser levados a um veterinário para fazer um eletrocardiograma. Esse exame vai determinar o ritmo das passadas e a condição física do animal", observa Ravaglia. "Animais com mais de sete anos, que são considerados idosos, assim como obesos, devem ser submetidos a avaliações criteriosas para checar a existência de doenças pertinentes à condição, como displasia coxo-femural, problemas de coluna e cardíacos."
Há ainda outros cuidados que devem ser tomados, como a escolha do horário mais indicado, de preferência num momento de pouco sol, já que o calor pode machucar as patas dos animais. A respiração ofegante do cão e a resistência em continuar o trajeto devem ser respeitadas.
Para mostrar ao cão a diferença entre passeio e caminhada, é preciso adotar uma postura séria, com comandos mais firmes. As paradas do cão, tão comuns nos passeios, devem ser abolidas para que se mantenha um ritmo adequado ao cachorro e ao dono. "Nas caminhadas, fique atento para evitar acidentes com crianças e pessoas idosas. Use sempre os equipamentos de segurança, como coleiras e, no caso de determinadas raças, focinheiras. E mantenha a vacinação em dia, recolhendo as fezes do animal", orienta.
Ravaglia diz que para garantir o bem-estar de seu melhor amigo, é importante fazer com que ele beba água em pequenas quantidades e urine antes de começar a caminhada. O ortopedista lembra, ainda, que é importante o dono segurar a coleira de maneira firme, do lado esquerdo, e manter a postura ereta. "Não deixe de recompensar o cão após a caminhada com um petisco canino para condicionar o bom comportamento."
Como dicas básicas para os donos, estão o uso de roupas confortáveis e tênis, alongamento antes e depois da caminhada; hidratação antes, durante e após a prática, e a escolha de um local adequado para a caminhada, longe de calçadas esburacadas e ruas movimentadas. O ideal é manter a meta de 30 minutos por caminhada, cinco vezes por semana, pelo menos.
Sedentários devem começar caminhando três vezes por semana, por 30 minutos, para que o corpo se ajuste à nova rotina de exercícios. A partir da segunda semana, o praticante deve aumentar o tempo em 10 minutos, para que, após um mês do início da atividade, chegue a 60 minutos de caminhada por dia.
(Gazeta Mercantil - Alexandre Staut)

agosto 25, 2008

The Day After


A realidade vai continuar, agora que o circo acabou.

Já cá faltavam

As doses cavalares e industriais de futebol com que nos brindam as estações televisivas portuguesas ou em português...
Estava eu muito satisfeita a almoçar no Thai, o meu amigo chefe de mesa já tinha posto a televisão na TDM, começam a transmitir em diferido as notícias da meia-noite da RTP1 e somos bridados com...
A importantíssima notícia de que aquele clube de Lisboa, cujo presidente fala com os pés, tinha empatado na estreia do campeonato em casa do Rio Ave; vá de gramarmos com as imagens, mais as entrevistas ao treinador que fala espanhol, aos jogadores e patatipatata.
A seguir, claro, a notícia sobre a vitória do clube do Norte de Portugal que tem o equipamento às riscas verticais azuis e brancas, que ganhou ao clube da zona dos pastéis de Belém por 2-0. Reportagem mais abrangente, com a importantíssima opinião dos matarruanos que com não sei quantas horas de antecedência já estavam à porta do estádio, sobre quem joga ou não, porquê, se é a opção certa..., mais os comentários dos dois treinadores, de alguns jogadores, etc.
Depois volta-se ao jogo anterior para ouvir o comentário do treinador da equipa da casa que sabe-se lá porquê tinha ficado pendurado sabe-se lá aonde!
E depois vem a cereja em cima do bolo:
- O rapazinho (locutor, jornalista, o que quiserem) que está a apresentar as notícias tem esta brilhante tirada: "Mais adiante neste Jornal voltaremos ao desporto. Vamos continuar as notícias com o Encerramento dos Jogos Olímpicos"!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Sim os Jogos Olímpicos são, definitivamente, BRICOLAGE!

O "meu" Egipto vai tomando forma

Depois de garantidos os lugares no cruzeiro Luxor-Assuão, a bordo do Moon Goddess da Sonesta, da caminhada a pé e de camelo pelo Deserto Branco, da viagem Hong Kong-Bahrain-Cairo (a pagantes, porque com as milhas da Asia Miles a coisa nunca mais estava resolvida), hoje foi a vez de marcar o hotel em Luxor e a passagem Cairo-Luxor, logo após a chegada ao Egipto.
Serão 3 semanas que terei de levar muito bem preparadas para não ter "amargos de boca".
Que isto de ir sozinha para o Egipto vai ser maravilhoso (ninguém vai ser melgado por causa das minhas fotografias, nem eu vou ser apressada por outros - espero!), mas já me avisaram que há destinos mais simpáticos para mulheres que viajam sem companhia.
Paciência!
Foram demasiados anos a sonhar com este destino (geográfico).
Chegou a altura de concretizar o sonho!

agosto 23, 2008

A família não se escolhe

O que é uma pena.
Caso tal fosse possível acho que por esse mundo fora haveria muito mais pessoas satisfeitas.
Em finais de 2000 disse que não contassem comigo; que não iria a Portugal para ficar em fotografias estilo "Irmãos Unidos" quando a realidade é tão diferente. Que estava farta de hipocrisias. Para não ser a desmancha prazeres acabei por ir.
Oito anos se passaram. Tudo continua na mesma. Estou farta!
De mesquinhices e pequenas maldades.
Se pudéssemos, ambas escolheríamos irmãs de etnias diferentes.
Eu escolhia a Sandra Low, a minha "irmã" chinesa.
Cada vez acredito mais que "os amigos são a família que podemos escolher".

agosto 22, 2008

Laura - 5 anos

A Laurinha fez 5 anos.
E a tia fez a reportagem do apagar da vela (entre mulheres).
A festa será no Sábado.

video

agosto 19, 2008

Taj Mahal por Jorge Ben Jor

A próxima viagem vai ser ao Egipto, com partida marcada para de hoje a 1 mês.
Mais 3 semanas que, espero, se juntem ao álbum das recordações inesquecíveis dos sonhos tornados realidade.
Mas o Taj Mahal, o Rajastão, Jaiselmer, Khajurao, Pushkar, os palácios do marajás que me aguardem...
Ainda lá hei-se chegar!

agosto 18, 2008

Gaspar - 17 anos

É verdade, o meu porta-chaves a pilhas fez mais um ano!

Cada vez mais velhinho, mas felizmente saudável, segundo as análises e o Vet que o viu há pouco mais de 1 mês.

Para minha alegria.

Aqui fica um vídeo para a posteridade.



video

agosto 07, 2008

Um SMS horrível

Foi o que a Fátima B. me enviou a 19 de Julho.

O pior que recebi até hoje, eu a careta que ainda prefere comunicar de viva voz e que foge o mais possível a esta nova forma de contacto.
O João tinha morrido por volta das 19h00 do dia 18. 
As sensações foram as de levar um valente murro na "boca" do estômago, ficar enjoada e com o corpo a parecer uma almofada de espetar agulhas e alfinetes, tipo barata tonta, completamente aparvalhada, apesar de há muito esperar e "desejar" este desfecho.
"Desejar" sim, porque o João, uma pessoa verdadeiramente boa, não merecia o horror, o pesadelo inimaginável que foi este último ano da sua vida, graças ao maldito linfoma que o foi destruindo impiedosamente, apesar de todos os que dele gostávamos tanto desejarmos o contrário.
A partir de certa altura o meu coração perdeu a esperança, porque senti que ela já não existia para o João. Fui criticada por pessimista, por ser ave de mau agoiro.
Que podia fazer se o que a minha intuição me dizia não era o que, claro, o meu coração, em sintonia com os de todos, esperava?
O João lutou pela vida até onde pode.
Por isso, na manhã do dia 18, disse que já não aguentava mais.
Ao final do dia veio a Paz.
Connosco ficam as recordações.
Tenho duas especiais: o jantar na minha casa do Tjoi Long e o fim de tarde em que veio conhecer a numerosa Matilha Amestrada à Estrada da Aldeia... a sua alegria e as suas gargalhadas ainda ecoam na minha sala, tal o banho de lambidelas que levou...
Agora sei que ele está bem.
E que nos encontraremos na próxima vida.
Até lá!

julho 11, 2008

Quem é que me esclarece?

Caso eu atropele um salpicão que vai de capacete em cima duma mota, de quem é a culpa?

Eu dou os pormenores:
Vou a sair da ponte Sai Wan a 50 km/h, na faixa da direita quando, de repente, o dito salpicão, sem fazer qualquer sinal (vulgo pisca), se pranta à minha frente, a 2/3 metros do meu carro.
Se ele se tivesse estampado e eu o tivesse atropelado (o mais provável) de quem era a culpa?
Porque o piso estava escorregadio da chuva. E ele passou-me mesmo uma tangente.
Quando cheguei ao Instituto ainda suava frio!
Roguei-lhe tantas pragas que o mais provável é que os filhos lhe nasçam todos albinos, mas mesmo assim não estou descansada.
Se as câmaras de segurança da ponte não servirem de prova uma pessoa está feita num "molho de brócolos".
Pode recorrer até que instâncias?
E detector de mentiras e soro da verdade?
Tribunais internacionais?
OK, direito não é, de todo, a minha área, e, como dizia o outro, " perguntar não ofende".
É que numa situação destas quem conduz o carro paga sempre!
E se eu ficar entalada sem ter culpa nenhuma, perdido por cem perdido por mil, acho que mando alguém partir-lhe o trinca-palha (caso tenha ficado inteiro).

julho 09, 2008

Com esta chuva toda

Acho que as nuvens se vão acabar de vez...

julho 08, 2008

O Samoedo Alfredo já é uma boa recordação


Desde hoje, pouco antes do meio-dia.
Uma ironia, uma injustiça ter de se eutanasiar um animal como ele.
Com um coração que teimava em bater, em não parar, mesmo quando metade da seringa já tinha sido despejada na corrente sanguínea.
A pele estava numas condições horríveis, os olhos a cegarem e a caminho do glaucoma, a displasia acentuadíssima a limitar-lhe a mobilidade e a dar-lhe dores constantes.
Calcula-se que teria cerca de 15 anos. Muito para um pastor alemão.
Desde que chegou a minha casa, há quase dois anos, viveu constantemente sob medicação.
Os efeitos eram quase nenhuns. Melhorias, só a nível das otites.
Mas o modo como foi possível recuperá-lo há dois anos foi maravilhoso; porque existem pessoas especiais, como o Billy Chan e o amigo que é fisioterapeuta de humanos mas não se importou de ajudar o Sam. É por conhecer gente assim que me sinto mais rica.
O que me dói?
A forma como o Sam hoje olhou para mim.
Como se eu o tivesse abandonado.
Mas não. Se o deixei mudar de casa foi por acreditar que seria muito melhor para ele, melhores condições, melhor tratamento do que o que eu estava a dar-lhe.
Agora tenho o coração cheio de dúvidas.
O meu cão que dava marradinhas estava mesmo muito mal.
Para isso, poderia ter ficado comigo, na casa dele (apesar de o Sam ser da Anima a minha casa era a casa dele).
Too late!
A água já passou debaixo da ponte.
O Sam já está em paz.
Eu é que ainda não.

julho 07, 2008

De coração pesado, por causa do Sam

Que vai ser abatido amanhã.

É como vou dormir.
Mas egoísmo seria mantê-lo vivo.
É isso o que razão e coração me dizem.
Há dois anos foi precisamente o oposto - pensei que não havia esperança e consegui salvá-lo.
Agora já não se pode fazer nada a não ser libertá-lo desta vida que lhe está a ser muito, muito penosa.
Seja.
É a última prova de afecto que lhe posso dar.
Vou estar ao lado dele.


julho 04, 2008

Há um mês, a esta hora...
















Era aqui que eu estava.

Na Antiga Ágora e, qual camela, incansável, imparável, sem comer, nem beber.
Do Museu, que visitei em último lugar, só saí quando apagaram as luzes e, mesmo assim, como o fizeram gradualmente, fui passando de vitrina apagada para vitrina iluminapagada...
Agora recordo o que foi esse fim de tarde.
As luzes vão ficar acesas.

É bom saber-te por aqui, Duarte

E ainda mais se te sentes bem!

julho 03, 2008

Choras gregas

Parikia - Paros





Naoussa - Paros







Lefkes - Paros












Mykonos










Chora ou Cora, significa núcleo.
São o coração, o centro, a parte mais antiga das vilas, das aldeias das ilhas gregas.
Nem todas as têm.
São mais características deste grupo de ilhas do mar Egeu.
Hoje em dia correspondem à parte mais concorrida, mais turística, mais comercial, onde se concentra a maioria dos restaurantes mas onde, simultaneamente, parte da tradição continua a coexistir.
Como dá para perceber, fiquei particularmente seduzida pelas buganvílias, esplenderosas, que decoravam quase todas as ruas, cantos e recantos.

"Não Precisa Mudar"

Ivete Sangalo e Saulo ajudam-me a dar um recado ao dia que hoje nasceu em Macau!

julho 02, 2008

A noiva de Garibaldi

No regresso a Macau fui surpreendida pela mini-série brasileira "A Casa das Sete Mulheres" que achei fantástica.
Sim, achei, porque já a vi toda no You Tube.
Como tinha perdido os primeiros episódios resolvi tentar colmatar a falha e, duma assentada, estilo como quem não consegue conter-se diante duma taça, ou alguidar, de amendoins, quando dei por mim, eis que o final tinha chegado.
Pelo caminho, deformação profissional, ficaram várias consultas a diversos sites sobre a vida dos personagens e sobre os factos reais em que a história se baseia - porque já não me lembro nada do que na faculdade eventualmente possa ter aprendido sobre este assunto em História do Brasil, cadeira que escolhi como opção complementar e que era dada pelo Prof. Dr. Salvador Dias Arnaut, já muito velhinho, que gostava de contar piadas e que se ria perdidamente antes de as acabar com a graça que achava que elas tinham...
"A Casa das Sete Mulheres " é uma beleza; para quem nela participou, terá sido um privilégio trabalhar numa produção desta qualidade.
Na guerra que opôs o Rio Grande (República Rio Grandense) ao Império do Brasil, Garibaldi estava ao lado dos Farrapos (Revolução Farroupilha) que queriam implementar a República e que lutavam pela abolição da escravatura.
No testemunho que deu a Alexandre Dumas disse que nunca tinha visto em nenhuma parte, homens mais valentes, nem cavaleiros mais brilhantes que os da bela cavalaria rio-grandense, em cujas fileiras terá aprendido a desprezar o perigo e a combater dignamente pela causa sagrada das nações. 
Ao fim de 10 anos de lutas o Rio Grande voltou a integrar-se no Império. Os escravos que combatiam no exército, e só esses, foram alforriados. O fim da escravatura, infelizmente, só viria mais tarde. Apesar de tudo, e porque o número de baixas foi excessivo, ambas as partes se consideraram derrotadas no último combate.
No meio de tudo aquilo que é facto verídico, custa saber que Manuela de Paula Ferreira, sobrinha de Bento Gonçalves, o grande dinamizador da revolta, também recordada pela mão de Alexandre Dumas, porque nunca deixou de amar Giuseppe Garibaldi, de quem foi namorada, ficou toda a vida à espera que ele voltasse e morreu, solteira, aos 84 anos em Pelotas.
Que desperdício de emoções e de energia!

Quem quiser saber mais sobre o que foram estes "Sonhos de Liberdade - O legado de Bento Gonçalves, Garibaldi e Anita", basta ir a www.viapolitica.com.br/sonhos e encontrará as comunicações apresentadas no Seminário Internacional "170 Anos da Revolução Farroupilha" que se realizou há 3 anos.
Vale a pena!

junho 29, 2008

junho 28, 2008

Boa-noite!

Hoje vou dormir mais leve. 

A Gueixa, que esteve 3 dias internada, devido a hemorragias, vai agora comigo para casa!
Espero que viva bastante para além dos 12 anos que, pensamos, deve ter.